SÊ BEM-VINDO ! SÊ BEM-VINDA ! YOU ARE WELCOME !

sábado, 31 de março de 2012

Euros e pássaros por quê? (parte 3)



Fazer Street Art é, só por si, um ato político. É afirmar que o espaço coletivo é de fato coletivo; deve ser apropriado por todos os membros da comunidade que nele queiram intervir. Trata-se, portanto, de uma afirmação de pleno direito contra a tentativa de controle e sonegação da coisa pública por parte dos poderes político e económico. As elites sempre tentaram regulamentar o que acontece nas ruas, com o objetivo de proibir o que não lhes convém, o que as pode pôr em causa. Através da proibição e da censura, atenta-se contra os princípios da liberdade e da democracia. Participar na construção sempre dinâmica dos cenários públicos é renovar a democracia, é um exercício de cidadania. 


Temos demonstrado muita reserva em declarar os propósitos da nossa Street Art porque não temos a arrogância de querer determinar o que as pessoas devem pensar ou sentir. Para isso já existe a publicidade comercial e a propaganda ideológica e dirigista dos habituais meios de comunicação de massas. Temo-lo dito diversas vezes: fazer Street Art não é o mesmo que escrever um panfleto que se distribui à porta do metro. Ambos são necessários, mas são meios de expressão diferentes na forma e nos objetivos. 


Relativamente às nossas motivações ao fazer Street Art, as nossas declarações devem ser contidas para não inibirmos quem anda na rua, para mantermos o campo de significações o mais aberto e livre possível. É importante não desmancharmos o véu que encobre a imaginação de quem se cruza com os nossos trabalhos, no sentido de que todas as pessoas se sintam suficientemente à vontade para realizar as suas próprias leituras, cada uma à sua maneira, que, como também já dissemos, é sempre a maneira correta.


Neste sentido, o que podemos dizer é que se um caminhante reparar nas nossas intervenções já nos damos por satisfeitos. Se o fizer com um sorriso, melhor. Se para além disso a nossa obra o puser a pensar, ficaremos verdadeiramente satisfeitos.


Entendemos que nas sociedades humanas a riqueza está escandalosamente mal distribuída. Como é possível que  8% da  população adulta mundial detenham 79,2% da riqueza total, restando apenas 20,8% para os demais 92%  de seres humanos (ainda por cima também estes partilhando as sobras entre si de uma maneira muito desigual)? Acresce que a globalização capitalista apenas tem acentuado essas desigualdades. Uma pessoa e um povo com menos rendimentos serão necessariamente pessoas e povos com menos acesso à cultura, à saúde, ao exercício da sua cidadania,... terão pior qualidade de vida e viverão por menos tempo. É a antítese da democracia. Com efeito, sem democracia social não há democracia política.


Ao mesmo tempo, este sistema económico predador da natureza e gerador de desigualdades e injustiças entre os seres humanos, fomenta nos indivíduos uma sensação de incompletação que procura ser compensada pela aquisição vazia de bens de consumo, na sua grande maioria, supérfluos. Precisaremos nós de viver tão rodeados de objetos descartáveis, de sorvermos com tanta sofreguidão um materialismo insaciável que nos afasta do que é realmente essencial na nossa existência?


Estas são as nossas interrogações. E é com interrogações que avançamos para o espaço público. Quem está à espera de respostas fáceis messiânicas não as encontrará com certeza nem na nossa obra nem nas nossas intenções. Partilhamos dúvidas acutilantes e respostas incompletas, com a humildade óbvia de quem percorre uma vida efémera. Queremos contribuir para o debate, e todos os cidadãos que desejem participar são bem-vindos. Na rua, naturalmente, porque ensina-nos a História das civilizações que é no espaço público que a democracia verdadeiramente acontece e que as mudanças se iniciam.

sexta-feira, 30 de março de 2012

Progress



« Without deviation from the norm, progress is not possible. »

Frank Zappa (musician e songwriter, 1940 - 1993)


quinta-feira, 29 de março de 2012

Arte Urbana não causa dano


Não é preciso inutilizar a fechadura, é possível contorná-la de modo a que a chave ainda possa abrir a  porta.
It's always possible to paint a door without damaging the lock.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Testando difusores #5


Já foi há um tempo considerável que, pela última vez, partilhámos aqui alguns dos testes a que sujeitamos os nossos difusores, aplicando-os a latas de marcas diferentes, sempre novas, no máximo da sua pressão e cheias de tinta. O nosso procedimento continua a ser o mesmo: imprimimos o mínimo de pressão sobre os difusores quase encostados à parede, procurando conhecer a capacidade de resposta de cada lata à nossa intenção de conter a força do gás e de controlar o fluxo da tinta.


Estes difusores Super Skinny (branco/cinza) apresentam orifícios minúsculos para a saída da tinta. São os nossos preferidos para o desenho de pontos pequenos e linhas finíssimas, não obstante sejam aqueles que mais rapidamente entopem. Se é verdade que os traços nunca são muito finos com as latas mtn MEGA, também é verdade que com estas latas o entupimento é menos frequente em razão da força com que a tinta é expelida. Guardamos a mesma recordação das latas Molotow High-Pressure, muito mais raras no mercado português, mas igualmente potentes na pressão com que fazem a tinta jorrar.



terça-feira, 27 de março de 2012

NBQpro à porta de casa


É raro encontrar latas NBQpro em Portugal. É preciso conhecê-las melhor. As experiências que temos feito com elas têm-nos causado, até aqui, boa impressão. Deste modo o nosso mais recente carregamento trouxe muitas e variadas cores e dezenas de caps. Vamos ao trabalho!

segunda-feira, 26 de março de 2012

Sublevação



« Mas quando nos julgarem bem seguros
cercados de bastões e fortalezas,
hão-de ruir em estrondo os altos muros
e chegará o dia das surpresas »


José Saramago

domingo, 25 de março de 2012

Processo de corte









O essencial é lembrarmo-nos de NUNCA colocarmos as mãos no caminho do x-ato (estilete). O resto é um meticuloso trabalho de paciência.

DANGER: NEVER let your hand and fingers get in the way of the scalpel, which is an extremely sharp bladed instrument! Be slow and patient.


sábado, 24 de março de 2012

Exposição: faltam 12 dias


Já referimos anteriormente que participaremos numa exposição exclusivamente reservada à Street Art na Galeria António Prates, que seguramente é uma das melhores galerias de Arte portuguesas. Aproveitamos que o cartaz foi alvo de algumas alterações, para recordarmos que a inauguração mantém-se para o dia 5 de Abril.


We have already mentioned that we'll take part on a Street Art exhibition in Galeria António Prates, which is one of the best Art Galleries in Portugal. Now the poster changed a little, but the exhibition's opening is still going to be in 5th April. We are almost there.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Everyday


«I am just cutting stencils and painting everyday. So it affects my everyday life completely. Being awkward, art helps me to express my deeper feelings. I just feel so good with, and so poor without.»

C215

quinta-feira, 22 de março de 2012

El Stailama


El St e Dalaiama numa modesta intervenção durante uma tertúlia reflexiva sobre política, sociedade, economia e afins.


A small ground painting done by El St and Dalaiama, while wondering about social economics issues on a sunny day.

quarta-feira, 21 de março de 2012

É JÁ AMANHÃ!!!


A GREVE GERAL É JÁ AMANHÃ!
Nós
já antes falámos no contexto em que acontece esta greve e em que aparecem estes cartazes. Lembremo-nos de que nos séculos XIX e XX as pessoas tinham emprego bastante precário, péssimas condições laborais, jornadas de trabalho intermináveis, era-lhes vedado o direito à greve e, ainda assim, uniram-se e combateram, fizeram inúmeras greves e todas as conquistas sociais resultaram dessa luta. As mesmas conquistas que agora o neoliberalismo, para enriquecimento exagerado e injusto de alguns, pretende retirar a quem trabalha. É possível resistir e vencer o retrocesso. É possível a união. Aqueles trabalhadores das gerações anteriores não esperaram por ter segurança no emprego para fazerem greve. Pelo contrário, eles conquistaram a segurança no emprego porque fizeram greve. E nós? Vamo-nos sentar à espera de que o progresso social nos caia do céu? A greve geral é já amanhã! Pelo nosso futuro. Por ti. Pelos teus filh@s.

terça-feira, 20 de março de 2012

O destino não é ficar







« Trago na boca, o coração
Preso nos versos, desta canção


Sinto-me tão leve, que não posso acreditar
Voa, voa, voa »


Quinta do Bill



segunda-feira, 19 de março de 2012

Precários nos querem Rebeldes nos terão


«Somos precári@s no emprego e na vida. Trabalhamos sem contrato ou com contratos a prazos muito curtos. Trabalho temporário, incerto e sem garantias. Somos operadores de call-center, estagiários, desempregados, trabalhadores a recibos verdes, imigrantes, intermitentes, estudantes-trabalhadores...


Não entramos nas estatísticas. Apesar de sermos cada vez mais e mais precários, os Governos escondem este mundo. Vivemos de biscates e trabalhos temporários. Dificilmente podemos pagar uma renda de casa. Não temos férias, não podemos engravidar nem ficar doentes. Direito à greve, nem por sombras. Flexisegurança? O "flexi" é para nós. A "segurança" é só para os patrões. Esta "modernização" mentirosa é pensada e feita de mãos dadas entre empresários e Governo.


Estamos na sombra mas não calados. Não deixaremos de lutar ao lado de quem trabalha em Portugal ou longe daqui por direitos fundamentais. Essa luta não é só de números, entre sindicatos e governos. É a luta de trabalhadores e pessoas como nós. Coisas que os "números" ignorarão sempre. Nós não cabemos nesses números.


Não deixaremos esquecer as condições a que nos remetem. E com a mesma força com que nos atacam os patrões, respondemos e reinventamos a luta. Afinal, somos muito mais do que eles.
Precári@s, sim, mas inflexíveis.»

Precári@s Inflexíveis

domingo, 18 de março de 2012

Francisco Desidério Oliveira



Temos muita sorte em ter um amigo que é também excelente realizador de cinema! É emocionante e comovente assistir a mais uma das suas obras-primas em que modestamente estamos incluídos! Parabéns ao Francisco Desidério Oliveira e obrigado! Grande abraço amigo!!!


We are so glad to have a friend who is also a great filmmaker! It's very touching to watch this very cool video made by him where we appear bombing around the city! Congratulations and many thanks to Francisco Desidério Oliveira

sábado, 17 de março de 2012

Greve Geral 22 de Março


« Os Precários Inflexíveis convidaram vários gráficos/as e designers a construírem o seu apelo à Greve Geral do próximo dia 22 de Março e, durante os próximos dias, iremos divulgar esses trabalhos que resultam da imaginação e da convicção de cada um destes artistas. No entanto, o apelo é comum: nesta Greve Geral cabemos todos, por todas as nossas razões e pelo futuro de todos. »

Precários Inflexíveis

sexta-feira, 16 de março de 2012

Simples


«Faz o que for necessário para seres feliz. Mas não te esqueças de que a felicidade é um sentimento simples. Tu podes encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceberes a sua simplicidade.»


Mário Quintana

quinta-feira, 15 de março de 2012

Limpar o estêncil #2



Para limpar os estênceis convém ter em atenção que alguns tecidos sintéticos não absorvem bem a tinta e outros de algodão libertam fios que se colam ao estêncil. Todos os panos acabam por enrijecer com o acumular de tinta seca, perdem a capacidade de absorção e vão para o lixo.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Eclosão em Cascais


Hoje aconteceu uma explosão no centro de Cascais!!!
Today we heard an explosion at Cascais Downtown: call the Firemen!!!

terça-feira, 13 de março de 2012

Há poucas horas na Av. de Sintra


Era ainda madrugada quando aconteceu um bombing ligeiro e colorido na movimentada avenida de Sintra, já a chegar a Cascais.


Last night we did a quick colourful bombing in Sintra's Avenue, a big crowded road full of cars at daylight.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Once upon a time


Era uma vez uma parede com muitas histórias para contar...
Once upon a time there was a wall with many stories to tell...

domingo, 11 de março de 2012

sábado, 10 de março de 2012

Bombing in Purple









Desde os seus primórdios que a Street Art europeia, pelas mãos de Blek le Rat e Miss-Tic, caracteriza-se pela utilização de estênceis pintados a preto. Se é verdade que o preto realça o desenho na parede, é precisamente essa visibilidade que o leva a ser mais rapidamente removido. Por vezes é interessante experimentar outros tons, mais suaves e discretos. Há poucas noites espalhámos alguns estênceis pintados a roxo, num tom clarinho. Explorar uma nova gama de cores permite igualmente apresentar novas emoções à sensibilidade coletiva. Lembremo-nos ainda de que os estênceis podem resistir por mais tempo se forem pequenos.


Right from the beginning, in the early 1980s, since Blek le Rat and Miss-Tic pioneered the use of stencils as a street art form, black is the most common colour used to spray on the walls. In fact, it makes the stencil drawing quite visible. But because of that visibility, it can also get removed quickly. So if you want to make it last longer, you can try another colour, a softer one. Some days ago we used a sort of light purple. Different colours may inspire different emotions too and that's nice. Smaller stencils are also more discreet and may last longer on the urban canvas.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Le Monde Diplomatique renovado



É evitável a submissão às troikas, externa (FMI, CE, BCE) e interna (PSD, CDS-PP, PS). Há sempre alternativas. Os meios de comunicação social, servis aos interesses dominantes, procuram apresentar-nos como inevitável uma realidade ainda em construção. Só é inevitável aquilo que aceitarmos que o seja. De facto, há outras soluções defendidas por cientistas sociais, economistas, sociólogos e outros especialistas, mas a diferença de opinião, por mais cientificamente fundamentada que esteja, não encontra espaço nos habituais jornais. 

Felizmente existe o Le Monde Diplomatique, um jornal mensal que tem a coragem de apresentar análises certeiras e soluções alternativas para as realidades sociais em que nos inserimos.

Não é a primeira vez que o Le Monde Diplomatique nos concede a enorme honra de ilustrar um dos seus textos extraordinários com imagens da nossa Arte. Agora em janeiro fê-lo novamente. O nosso orgulho é incomensurável. Quem já leu os seus esclarecidíssimos textos sabe ao que nos referimos.

Pois precisamente hoje, às 18h00, no auditório do CIUL/CES Lisboa, em Picoas, será apresentado o Le Monde Diplomatique «renovado», e decorrerá um debate com António Filipe, José Manuel Pureza e Pedro Nuno Santos com o tema "Portugal na Europa da austeridade e do novo tratado europeu". O Le Monde Diplomatique seguramente vale a pena!


quinta-feira, 8 de março de 2012

Millennia-old Art forms


«The artists and agitators who are decorating our built environment and simultaneously invoking millennia-old art forms, echoing pre-literate and pre-industrial signage, and jumping across the chasms of the digital divide and the complete commercialization of public communication.»


Chris Carlsson