SÊ BEM-VINDO ! SÊ BEM-VINDA ! YOU ARE WELCOME !

terça-feira, 7 de abril de 2020

Protective Clothes


In times of pandemic fear and uncertainty, stay at home dressing protective pajamas against new coronavirus. They are cosy and warm ;)

domingo, 5 de abril de 2020

sábado, 28 de março de 2020

#ficaemcasa


“Não é necessário saíres de casa. Fica à mesa e escuta. Não escutes sequer, espera. Não esperes sequer, fica completamente quieto e só. O mundo oferecer-se-á para que o desmascares, não lhe resta outra coisa. Arrebatado, contorcer-se-á perante ti.”

Franz Kafka


domingo, 22 de março de 2020

sábado, 21 de março de 2020

Agressão ao direito à greve


"Portugal é o único país que suspende o direito de greve no Estado de Emergência. Nem na Índia do fascista Modi. Nem a Itália, a lidar com a pior situação, o fez! Em Itália foram suspendidas as greves só nos sectores essenciais relacionados com o combate ao Virus; Nos EUA em lado nenhum; em Espanha só o direito de reunião foi limitado, não o de greve. Aliás, em Itália foi à ameaça de uma greve geral, de fixos e precários, que levou o Governo a aprovar a proibição dos despedimento durante a pandemia. Na França o direito à greve está garantido, apesar do Estado de Emergência ter sido decretado, bem como o recolher obrigatório.

[...] Em Portugal aprovou-se o Estado de excepção para permitir de facto os despedimentos sem resistência… ainda a tinta não tinha secado e a Groundforce hoje [19.03] aproveitou e já anunciou o despedimento de mais de 500 trabalhadores e a redução salarial de outros 500 – que nem greve podem fazer. [...] A seguir vem a TAP, restaurantes, hotéis, serviços, é assim que vamos “sair da crise”, condenando milhões à fome para deixar intocados os prémios e dividendos de meia dúzia de accionistas – só estes, desde 2008 pagariam 6 meses de salários a todos na Groundforce.

Não ocorreu ao Governo português limitar – com o Decreto de Emergência – o direito à remuneração dos accionistas, nacionalizando os lucros destas empresas, ou pelo menos os dividendos recentes, para garantir salários a milhões de trabalhadores e suas famílias. Ocorreu – com entusiasmo mediático – pôr fim ao direito à greve, ou seja, suprimir o direito democrático de quem trabalha lutar pelo seu trabalho, que é o direito à sua vida e dos seus filhos. Sim, a democracia foi suspensa, e foi pelo Partido Socialista. Com o apoio entusiástico da direita, [...] e – quem diria – o voto a favor do Bloco de Esquerda e a abstenção do PCP, que se vêem assim frente a uma crise moral e ética sem precedentes.

[...] Quem vive do trabalho não está só de quarentena, a lutar em conjunto pela vida, hoje. A estes – aos mais pobres, mais frágeis, mais precários, sem almofada, não lhes foi pedido que ficassem em casa, só. Foi-lhes exigida, com força de decreto militar, que abdicassem do futuro. E aqui, ao contrário da pandemia, não se pode dizer que estamos todos no mesmo barco. Se o vírus não escolhe classes sociais, a crise económica é clara sobre quem vai ficar para trás. E o Governo já disse de que lado está.

Lembro só, em nota final, que estes trabalhadores, nos portos, aeroportos, AutoEuropa, fizeram greves, plenários e paralisações, espontâneas, a pedir para pararem a produção, e usarem material de protecção nos casos em que são sectores de abastecimento (porto e aeroporto). Ou seja as greves antes do Estado de Emergência ajudaram a conter e não a espalhar o contágio. Foi este medo, que os trabalhadores exijam como foi na Auto Europa ficar em casa, que levou o Governo a aprovar este Decreto, e com esta especificidade, anti-democrática, única na Europa."
 

Raquel Varela

sexta-feira, 20 de março de 2020

Welcoming Spring 2020


Desenho sobre papel livre de ácido; 200 g/m²;  21 cm x 29,7 cm (formato A4).

Drawing on acid-free paper; 115 lbs; 8,3 in x 11,7 in (A4 format).


quarta-feira, 18 de março de 2020

Património urbano


"Assim como o patrimônio ambiental urbano pode ser considerado a materialização das relações sociais que interagem no espaço da cidade, funcionando como elemento de identidade, a preservação deve ser vista como parte de uma luta. A luta pela apropriação da cidade visando resguardar seus significados culturais que testemunham modos de vida e experiências."

Cássia Magaldi