SÊ BEM-VINDO ! SÊ BEM-VINDA ! YOU ARE WELCOME !

sábado, 2 de Agosto de 2014

... e tudo está bem ;)


"Life will give you whatever experience is most helpful for the evolution of your consciousness. How do you know this is the experience you need? Because this is the experience you are having at this moment."

Eckhart Tolle

sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

Summer Series 2014 #3


As cores continuam exuberantes, mas desta feita com tonalidades mais frias para refrescar nestes dias de sol intenso ;))) ehehehe Abraços aí Amigos!!!

New refreshing stuff in a very hot portuguese summer! Yeeeeah!!! ;)

quinta-feira, 31 de Julho de 2014

quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Israel, Estado criminoso


“O Internacional Dockworkers Council (IDC) condena veementemente os ataques de Israel em Gaza, exige o fim imediato da ofensiva militar por parte do exército israelita [...].

O uso desproporcionado de força e a intensa intervenção militar lançada a partir do dia 8 de Julho de 2014, pelo governo Israelita, [...] tem tido como alvo civis palestinianos, sendo que mais de 200 palestinianos já foram mortos e há mais de 1.400 feridos registados*. Sem sombra de dúvida a população da Faixa de Gaza, sujeita à escassez e à deterioração das condições de vida, é mais uma vez vítima de violência indiscriminada por parte do governo de Israel, com dezenas de milhares de pessoas deslocadas para o norte de Gaza.

A partir do IDC denunciamos a ocupação da Palestina por Israel e as agressões sofridas nas áreas da Cisjordânia, Jerusalém e Gaza. Apelamos para a mobilização da comunidade internacional e para um cessar-fogo que permita negociações de paz abrangentes e justas – incluindo o respeito pelas fronteiras de 1967, a retirada das tropas israelitas dos territórios palestinianos e o fim do bloqueio a Gaza.

Internacional Dockworkers Council

* Números registados há uma semana e que hoje estão manifestamente ultrapassados.


"The International Dockworkers Council (IDC) strongly condemns Israel's attacks on Gaza, calls for the immediate cessation of the military offensive by the Israeli army [...].

The disproportionate use of force and intense military intervention launched on 8 July 2014 by the Israeli government [...] is targeting Palestinian civilians with more than 200 Palestinians killed and over 1,400 casualties registered*. Undoubtedly, the population in the Gaza Strip, hit by shortages and deteriorating living conditions, is once again the victim of Israeli’s government indiscriminate violence, with tens of thousands people displaced to the North of Gaza.

From the IDC we denounce the occupation of Palestine by Israel and the aggression suffered in the areas of the West Bank, Jerusalem and Gaza. We call on for the mobilization of the international community for a ceasefire to allow for comprehensive and equitable peace negotiations – including the respect for the 1967 borders, the withdrawal of Israeli troops from Palestinian land and the end of the blockade on Gaza.

International Dockworkers Council (IDC)

* unfortunately, after a week these numbers are strongly outdated.

terça-feira, 22 de Julho de 2014

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

Offshore


Quem ondula sobre os mercados flutuantes sabe que os peixes mais graúdos apanham-se na calada da noite.

Even if everybody is sleeping, banks are still awake. Through the night, when no one is watching, the best fishing moments happen to be under the cover of darkness.

sexta-feira, 18 de Julho de 2014

Os emblemas de uma nova era

"De um modo geral, o cidadão anónimo já aprendeu a falar de graffitis. De há cerca de duas décadas para cá, período em que os murais e as frases politizadas pós-25 de Abril cederam o lugar a protagonistas e emblemas de uma nova era, invocando outras referências e bandeiras, fomo-nos acostumando a este termo estrangeiro, entretanto naturalizado. O que entendemos então quando nos referimos ao graffiti? O termo aplica-se usualmente às inscrições executadas no espaço urbano citadino, em suportes diversos, como os muros, as paredes e variado mobiliário urbano, através da utilização de diferentes instrumentos (geralmente o aerossol ou o marcador). Daí que a definição comum abarque um conjunto extenso de actividades, códigos, técnicas e processos criativos. Numa percepção alargada deste universo podem inscrever-se expressões da denominada street art, obscenidades rebuscadas, frases românticas, aclamações desportivas, entre tantas outras demonstrações de inesgotável competência criativa do sujeito urbano."

Ricardo Campos 

quinta-feira, 17 de Julho de 2014

Far From Home


Sometimes when we travel away, internet gets hard to access and all we can do is hope to be able to post the new stuff we are doing as soon as possible ;) see you later all you friends! :D

quarta-feira, 16 de Julho de 2014

Simplesmente viver


«Life is like a theater play that does not allow you to rehearse. So, sing, laugh, dance, cry and live as intense as you can... before the curtain is drawn and the play ends without applause.»

«A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos.»

«La vida es una obra de teatro que no permite ensayos. Por eso, canta, ríe, baila, llora y vive intensamente cada momento de tu vida antes que el telón baje y la obra termine sin aplausos.»

Charles Chaplin

terça-feira, 15 de Julho de 2014

segunda-feira, 14 de Julho de 2014

A Europa da classe dominante, exploradora e opressora


"A evolução político-jurídica da União Europeia ao longo das últimas três décadas tem correspondido a uma verdadeira constitucionalização do neoliberalismo. Do Acto Único Europeu ao Tratado de Lisboa, com passagem por Maastricht e Amesterdão, as peças foram sendo gradual mas inexoravelmente colocadas no lugar: mercado único, mobilidade do capital, concorrência fiscal, pressões múltiplas no sentido da privatização, liberalização e flexibilização do mercado de trabalho. Sempre que necessário, atropelando a vontade dos povos.

Esta neoliberalização da União Europeia tem sido prosseguida com especial intensidade nos países que aderiram à União Económica e Monetária. [...] na verdade uma ofensiva de classe e um mecanismo de divergência entre Estados. Quer uma quer o outro decorrem da necessária acumulação de excedentes no centro e défices na periferia [...].

[...] A ofensiva de classe decorre do facto do mecanismo de ajustamento tornado obrigatório ser a compressão dos salários directos e indirectos: enquanto que a desvalorização cambial afecta todos os rendimentos (de trabalho e de capital) de forma transversal, a 'desvalorização interna' implica necessariamente uma alteração na repartição funcional do rendimento em favor do capital e detrimento do trabalho, a par do desmantelamento dos serviços públicos de que os mais pobres dependem muito mais fortemente.

Mas o ADN neoliberal da União Económica e Monetária introduziu ainda, porventura inadvertidamente, uma tendência latente para a estagnação generalizada, pois constitui o exemplo mais acabado da contradição central do neoliberalismo. A desigualdade na distribuição do rendimento constrange a procura no mercado de bens e serviços (ao mesmo tempo que provoca bolhas especulativas em sucessivos mercados financeiros); e o único mecanismo que neste contexto permite introduzir dinamismo na procura - o endividamento privado e público -, uma vez levado até ao limite, não pode ser renovado devido ao mandato anti-inflaccionário do BCE.

O resultado de tudo isto é o que está à vista: desigualdade em máximos históricos, um lastro gigantesco de dívida privada e pública, periferias condenadas ao subdesenvolvimento, domínio absoluto da finança, estagnação generalizada. [...]

Perante tudo isto, [...] os cidadãos europeus sentem o ataque de que são alvo e revoltam-se, legitimamente, contra uma União Europeia que hoje em dia não promete mais do que o subdesenvolvimento. Infelizmente, como estamos agora a assistir pela Europa fora, os partidos anti-democráticos e xenófobos são quem está a ocupar mais rapidamente este espaço político, subvertendo estas legítimas aspirações. Se o campo democrático não assumir rapidamente que esta União Europeia, e sobretudo este Euro, têm mesmo de ser desmantelados para que uma Europa solidária e de progresso possa ser reconstruída, são sombrias as nuvens que se erguem no horizonte."

Alexandre Abreu

domingo, 13 de Julho de 2014

Repetition Works


"Repetition works, and stickers are a perfect medium to demonstrate this principle. As long as stickers are being put up faster than they weather or are cleaned, they are accumulating. For cities, it is a constant maintenance battle. Simple fact is, it’s a lot easier to put stickers up than to clean them off."

Shepard Fairey

sábado, 12 de Julho de 2014

To Own Is Not Enough


«A capitalist is not someone who simply owns machines, but someone who owns machines, deploys those machines in a production process, hires owners of labour power to use them, directs the process by which the machines are used to produce things, and appropriates the profits from the use of those machines. A collector of machines is not, by virtue of owning those machines, a capitalist. To count as a class relation it is therefore not sufficient that there be unequal rights and powers over the sheer possession of a resource. There must also be unequal rights and powers over the appropriation of the results of the use of that resource.»

Erik Olin Wright