SÊ BEM-VINDO ! SÊ BEM-VINDA ! YOU ARE WELCOME !

quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

A farsa de Matarraque


Está a decorrer em Matarraque, Cascais, um "concurso" para uma pintura que é suposto "dinamizar a arte urbana e os artistas locais do Concelho" promovido por uma dita "comissão de moradores", com o apoio da Câmara Municipal de Cascaisque é uma total exploração, um desrespeito para com os Artistas, uma absoluta incompreensão do real valor de uma Obra de Arte. 

A ignorância é corrosiva, não se pode tomar parte nela, exige o máximo afastamento!

Este é um exemplo que merece reflexão, na medida em que se trata de mais um, de apenas mais um (!) dentre muitos e frequentes casos que expressam bem o atraso intelectual atávico que devasta o nosso país. A falta de investimento em Cultura não passa apenas pelos "políticos", exige alguma noção do ridículo por parte de moradores que são, em suma, cidadãos comuns como somos todos nós. 

Quem participar nesta aldrabice, estará a subscrever a opinião de que a Arte não merece que se viva dela, não carece de respeito, de investimento. Quem "concorrer", pois que não se queixe quando no futuro desejar dedicar-se profissionalmente à Arte, mas nesse momento dar-se conta de que há sempre alguém a desvalorizar o mercado, a fazer trabalho de borla (tal como esse alguém terá feito agora). Quando alguém trabalha grátis, para além de outras consequências nocivas, está a tirar o lugar ao profissional em que um dia poderia vir a tornar-se.

Não há dinheiro, não há progresso. Em Portugal a Cultura fica sempre pelo desenho incompleto. E não saímos do círculo vicioso: a despreparação geral que consiste numa má educação visual, têm aqui a sua origem, porque enquanto fruidores contentamo-nos com a impostura alegórica, e esta, por sua vez, impõe-se à força da repetição, o que leva à anestesia geral do olhar crítico e culturalmente sustentado, que assim não desenvolve o seu necessário grau de exigência e torna a aceitar (e a promover) a insuficiência artística.

E ainda há quem se espante quando constata que muita gente cheia de talento acaba por abandonar uma promissora carreira artística porque teve de ir trabalhar para o McDonald's ou a TelePizza!...

Caros Amigos, se alguém vir uma boa razão (UMA ÚNICA QUE SEJA!) para se participar num tal concurso promovido em Matarraque com o apoio da Câmara Municipal de Cascais, por favor esclareça-nos. 

Ora vejamos: não pagam o trabalho. Nem sequer dão tintas. Oferecem...? Sim, oferecem a sua magnânima aprovação, através de um Júri culturalmente preparadíssimo (um elemento da comissão de moradores, outro da Câmara e outro de uma empresa privada que faz o favor de ceder a parede atualmente suja e a precisar de pintura). Se der para o torto, por exemplo alguém rabiscar por cima do teu trabalho, reservam-se o direito de destruírem eles próprios todo o resultado do teu empenho, dizem que, assim sem mais, vão cobrir tudo de branco e cinzento (e lá se vão as tuas tintas). Ainda por cima és obrigado a ceder totalmente os direitos autorais da peça. Isso, claro, se dedicares esforço suficiente do teu tempo pessoal (horas, dias...) para produzires um excelente projeto. De fato, tem mesmo de ser excelente, porque o júri é tão qualificado que reserva ao seu próprio bom gosto o direito de recusar todas as propostas.

Basicamente, aguardam que um incauto bem intencionado, disposto a desperdiçar o seu talento, pague para resolver um problema que é deles.

Bom, quando há Artistas que se esforçam para oferecer Street Art, disponível para fruição gratuita de todos, no espaço mais democrático que é por excelência o lugar público, quando estas pessoas suprimem horas de sono a gastar (entre outras coisas) gasolina, tintas e tempo, fazem-no porque acreditam que do outro lado, a povoar as ruas, há GENTE CULTA, SENSÍVEL e HONESTA. Não é o caso das pessoas por trás desta intrujice de Matarraque. E infelizmente, não é caso único. 

Pior ainda é que há quem se rebaixe, sujeitando-se a participar na farsa...

terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Freedom Of Thought

"By virtue of its mere presence in the cityscape, street art challenges consumerism, advertising and the art system while promoting freedom of thought and the expression of unmediated political or playful ideas for free."

Anna Waclawek

domingo, 19 de Outubro de 2014

Is It Too Dark?

Nas ruelas mais escuras sempre podemos recorrer à luz que transportamos no bolso.
Don't worry: sometimes you just have to bring your own lightning torch.

sábado, 18 de Outubro de 2014

sexta-feira, 17 de Outubro de 2014

Illusion


«The greatest enemy of knowledge is not ignorance, it is the illusion of knowledge.»

Stephen Hawking

quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Cólera, afecto e esperança

com Elst

"Admita a indignação e a cólera como elementos de afecto, e sinais de esperança, de coragem e de tenacidade."

Baptista Bastos

terça-feira, 14 de Outubro de 2014

TIKONE — The Real King


"With each new location you have a new audience and I get extremely excited about seeing what people have to say about my work, especially when they don’t know I am standing right behind them."

PaperMonster (Street Artist)

domingo, 12 de Outubro de 2014

Wages Made In China


"It’s not the employer who pays the wages. Employers only handle the money. It’s the customer who pays the wages."

Henry Ford

sábado, 11 de Outubro de 2014

Le Monde Diplomatique 2002-2005

























O post de hoje, coincidindo com a publicação do número de outubro da edição portuguesa do Le Monde Diplomatique, vem reiterar a importância decisiva deste jornal na afirmação de uma verdadeira liberdade de expressão. É um mensário imprescindível para a compreensão da realidade que nos rodeia, de um modo fundamentado, crítico e alternativo.

Tal como já fizemos, mostramos as capas dos jornais que fomos guardando e que agora conseguimos encontrar espalhados por armários e gavetas. Continuamos onde paramos, a partir de abril/2002 até 2005. Três anos representam 36 números, mas com sorte encontramos estes 24... Quando localizarmos mais, havemos de atualizar este post.

Ler, comprar e assinar a edição portuguesa do Le Monde Diplomatique são atos de cidadania. Nestes tempos sombrios em que a exploração austeritária nos tentar impor a falsa ideia de que "não há alternativa", é importante contribuir para manter vivas as vozes esclarecidas e dissonantes, comprando e assinando o Le Monde Diplomatique

A ditadura do pensamento único instala-se. Não podemos conceber a opressão como algo natural. Poderá ser tarde demais quando todos nos tivermos calado... No teu próprio interesse, compra e assina. Se estás a estudar, até tens desconto ;)

sexta-feira, 10 de Outubro de 2014

quinta-feira, 9 de Outubro de 2014

Eusboço!


Agora que se confirma que há mais um Artista chegado ao mundo, é tempo de uma bebida comemorativa com uma garrafa de tinta na mão. Celebremos pois! =D